Tem Swing em Buenos Aires?

The Bash e Privê SW Club são as únicas boates liberais com swing em Buenos Aires. The Bash é exclusiva para casais e fica na Rua Nicarágua 4346. A Privê SW Club está na Rua Honduras 4184 e é aberta para solteiros também. É preciso ter disposição ou muito Red Bull: abrem meia noite e o agito começa por volta das duas da manhã.

Só tem duas boates liberais em Buenos Aires?

Infelizmente só. Também não há saunas liberais nem outro tipo de estabelecimento swinger. Não tem opções como Paris, nem sequer como São Paulo, que são cidades cheias de boates liberais. É pegar ou largar: só tem esses dois clubes e só funcionam depois da meia noite. Triste, mas é o que temos para hoje.

Será que encontro mais informações nos sites deles?

É impressionante como os dois clubes conseguem se comunicar tão mal online. As informações são confusas demais. Veja, por exemplo, essa informação louca no site do The Bash:

Horários confusos para o Swing na The Bash, em Buenos Aires.

Quem lê, acha que o clube fica aberto 24 horas aos sábados e domingos, quando, na verdade, abre meia noite.

No site do concorrente, o Privê SW Club, a última informação de evento era de setembro, quase três meses atrás. Há eventos que informam um dia sem dizer qual o mês. O site já seria amador no ano 2000. Em 2019, é absurdo.

Os sites mais atrapalham do que ajudam o leitor. Parece que não querem novos visitantes.

Como é o The Bash?

Em nossa noite livre em Buenos Aires, escolhemos ir no The Bash porque preferimos boates liberais sem homens solteiros.

Swing em Buenos Aires na The Bash
Sra. F chegando na The Bash para conhecer o swing em Buenos Aires

Infra do clube de swing

O clube é pequeno, com decoração desconjuntada e underground. Não faz nosso estilo: tudo parece antigo, sem planejamento e barato. É certo que faltou um arquiteto: mesas, cadeiras, sofás, paredes… nada combina com nada.

Os quartos para interação são fechados por cortinas: não há áreas que permitam privacidade. É verdade que isso é mais um estilo do que um defeito, e alguns dos melhores clubes do mundo também são assim. Mas preferimos quando há alguns quartos com chave. Nem todo dia é dia de suruba.

O clube é bem pequeno. São dois bares, um em cada andar, poucos quartinhos e só. Uma barra de pole dance improvisa a pista de dança no térreo.

Não há comparação com clubes do Rio ou de São Paulo e não se parece nem remotamente com os bons clubes da Europa, como o Fun4Two na Holanda, o Le Boudoir em Londres ou o Les Chandelles em Paris.

Quanto custa entrar no The Bash?

Buenos Aires tem as boates de swing mais baratas que já vimos até hoje. São 900 pesos argentinos (60 reais ou 15 dólares pela cotação de hoje) para o casal, com bebidas liberadas até 1:30 da manhã.

Simpatia do anfitrião Daniel

O dono da casa, Daniel, foi excepcionalmente simpático ao nos receber. Explicou sobre o clube, buscou saber de onde a gente era, comentou sobre os lugares que conhecia no Brasil. Nota 10 para ele.

Open bar até 1:30, mas…

As bebidas são liberadas no início da noite, mas são de qualidade lamentável, a ponto da gente preferir não beber.

Provei duas bebidas com álcool e a Sra. F um suco de laranja antes da sábia decisão de partir para a água com gás, a única bebida incluída que estava ao nosso gosto.

Por outro lado, a moça do bar foi uma simpatia: não tinha água com gás no bar de cima, e ela percebeu que não descemos para pegar no outro bar. Ela foi lá e trouxe pra gente. Nota mil pelo atendimento VIP.

Em resumo, serviço super bacana, mas bebidas fora de cogitação. Por outro lado, open bar a 60 reais por casal não tem como fechar a conta sem uma tremenda dor de cabeça no dia seguinte.

Swing em Buenos Aires com casais bonitos

Apesar da impressão ruim da infraestrutura e qualidade das bebidas, gostamos da experiência pelo público. Estava cheio de gente bonita e interativa.

Sra. F foi paquerada por uma moça desenvolta, que a puxou para uma farra na barra de pole dance. Já no embalo, Sra. F resolveu ficar com uma linda menina que veio dos arredores de Buenos Aires.

No geral, o público era bem bacana.

Swing em Buenos Aires tem farpas online

Aparentemente, a Prive SW Club, que é mais antiga, odeia a The Bash porque “roubaram” o nome. A The Bash usa “Prive Club Swinger” em seu nome e passou a ser listada no Google quando se procura por Prive Club.

É engraçado ver que ambos usam a internet de forma terrivelmente amadora, mas a Prive SW Club tem uma presença online ainda mais precária. É quase impossível encontra-la sem saber o nome exato do estabelecimento.

Vale ir no Swing em Buenos Aires?

Buenos Aires não é um destino swinger. Se você está por lá, por que não conhecer? Mas não é uma cidade com muitas opções nem tradição com a comunidade liberal.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.