Balada liberal e swing em São Paulo, SP

Tem swing em São Paulo para todos os gostos: do clima underground do Inner Club ao arrumadinho Hot Bar. Qualquer que seja seu estado de espírito, Sampa tem um lugar para você. E quase todos ficam em Moema, o bairro com mais safadeza por metro quadrado do Brasil. Não chega a ter o clima sensual de Amsterdam, mas não faltam opções para muita farra.

Baladas liberais e casas de swing de São Paulo

Inner Club

Inner Club, balada liberal swing em Moema, São Paulo, SP.

Inner Club é pura sacanagem. É isso. Se você quer ver gente trepando, é o destino certo. É underground, esquisito, espaçoso e de gosto pra lá de duvidoso. Tem um ônibus dentro, orgulho do fundador, pelo que dizem. Mas, gente! Um ônibus, ô trambolho feioso.

Se vocês formam um casal bonito – bem, se a mocinha for bonita – para onde vocês forem, homens solteiros seguirão. Apreciam? Então o Inner Club é campeão. Mas se a praia de vocês é um swing mais organizado, a turba de solteiros pode irritar.

Tudo na casa tem jeito de submundo, de puteiro anos 90 do centro da cidade. A gente prefere lugares mais arrumadinhos, mas a Inner é a paixão de vários casais que conhecemos. Para uma putaria firme, daquelas desenfreadas, é a escolha certa.

O Inner Club abre todos os dias e o preço varia. Para a noite tradicional de sábado, o casal que chega até 23:00 paga R$195 com R$100 consumíveis e depois desse horário são R$270 consumíveis (o que é meio esquisito, já que a segunda opção parece mais vantajosa para a maioria dos casais).

Para homens solteiros o preço de ingresso de R$560 parece não assustar, pois há muitos. É o lugar ideal para um gang bang.

Hot Bar

O Hot Bar é uma balada liberal elegante. O bar e a pista de dança sempre nos pareceram finos até demais, com toda a ação – fora os amassos comuns de qualquer balada – acontecendo no apertado labirinto atrás do clube. A pista abre tarde, pra lá de meia noite.

Sempre fomos no Hot Bar em busca desse equilíbrio entre um ambiente mais refinado e a sacanagem. Antes do Spicy Club inaugurar, era a casa que melhor nos atendia.

Apesar de gostarmos, há críticas: o labirinto é apertado e os quartinhos, além de minúsculos e lotados, tem aquele jeitão de cabaré antigo. Tudo acontece tarde demais: demora para encher, demora para abrir a pista, demora para a sacanagem começar.

Uma vez, nos arriscamos a pedir um petisco de cogumelo e foi um fiasco. Chegou ruim e frio. O cardápio de bebidas é dentro do esperado, mas o serviço é confuso.

Abre de quarta a sábado e custa, para o casal com nome na lista de sábado, R$180 com R$120 consumíveis.

Spicy Club

O Spicy Club inaugurou recentemente e no dia seguinte estávamos batendo ponto lá com nossa amiga Lari, para uma noitada com tudo de bom. Lugar novinho, música boa, bebidas dignas e um serviço muito bem conduzido.

A simpática moça da brigada de incêndio que nos levou para conhecer a casa fez um ótimo serviço. Todo mundo parecia animado com a inauguração e trabalhando com um sorriso.

O ponto forte são os quartos: mais confortáveis que na maioria dos concorrentes e com chave na porta. Deu para a gente se divertir demais e, torcemos, divertir nossa amiga Lari.

Era a segunda vez dela numa casa assim – só conhecia o Hot Bar – e o Spicy Club pareceu ter o equilíbrio perfeito entre pista, bar e sexo. Virou nosso clube favorito em Sampa.

Na entrada, sistema moderno com digital. Abriu no horário e rapidamente estava cheio de gente bonita. A pista animada, os quartos públicos com gente transando e os privados disponíveis. O bar atendeu rápido, com preços e cardápio dentro do esperado. Não provamos os petiscos.

O Spicy abre de quinta a sábado. Para a noite de sábado, casais pagam R$170 com R$140 consumíveis. Fica em Moema, como de usual.

Asha Club

Asha Club, balada liberal swing em Moema, São Paulo, SP.

A Asha Club é o oposto do Inner Club. É linda, toda arrumadinha, mas quase nada rola. Para nós, parecia uma balada comum. Tentamos animar o pessoal, mas ninguém queria saber de sexo por lá. Ficamos negativamente surpresos com a falta de apetite sexual naquele sábado.

Talvez nem sempre seja assim, que alguns dias sejam mais animados, mas o clima estava devagar quase parando. Pareceu que o pessoal vai só para dançar. Um casal de duas mocinhas bonitas, na beirada da pista, estavam na dúvida entre bater o pezinho e dormir em pé.

O ambiente é lindo e tem algo que muito nos agrada: o segundo andar não é tão barulhento, com um bar bacanérrimo e algumas cabines limpas, organizadas e com chave na porta. Aproveitamos para tirar a foto acima.

Voltaremos um dia para uma segunda chance, porque quando fomos não tinha clima nem pra gente transar entre nós. Para um swing mais firme em São Paulo, não é a melhor opção.

Para o casal que colocar o nome na lista, pelo site, custa R$160 com R$100 consumíveis, no sábado. A casa abre de terça a sábado.

Code Club

Não fomos no Code Club juntos, mas o Sr. F esteve lá antes de conhecer a Sra. F. É o único que não fica em Moema. Era animado, com bastante sexo, há uns cinco anos atrás. Mais escreveremos depois de uma visita juntos. Abre somente aos sábados e custa R$180 consumíveis para o casal, com nome na lista do site.

Apps

Um achado no Badoo, nossa nova amiga paulista.

Que inveja de SP, onde os apps de paquera bombam! Nenhum lugar do Brasil se compara. Até apps que já havíamos abandonado, como o Badoo, são demais em Sampa. Se está em São Paulo, mas com preguiça de ir no clube de swing, instale um app!

No último domingo de manhã a Sra. F me acorda: “temos um date para agora de manhã”. Nem entendi bem. “O que? Encontro domingo de manhã? Mas nosso vôo parte logo depois do almoço!”.

Conhecemos nossa nova amiga Ali, com o mais curioso date na sala vip do hotel. Papo vai, papo vem, menina ótima: gente boa, sem frescura e gostosa. Se tivéssemos conhecido um dia antes, tínhamos apresentado pra Lari, na Spicy.

Ah, se o Tinder & cia de nossa cidade fossem como os de Sampa, não teríamos tempo para tanto compromisso.

Motel

Asturias

Uma noite de muita diversão no Motel Asturias.
Sra. F posando com duas amigas no Asturias Motel.

Nem só de clubes de swing vive São Paulo. As vezes, faz parte da brincadeira ir para um motel. No dia da foto acima, fomos apresentar uma antiga amiga da Sra. F para uma antiga amiga minha, e não há lugar melhor para fazer novas amizades do que a piscina particular dos quartos do Asturias Motel. Recomendamos.

Hospedagem

Sra. F fazendo estripulias no corredor do hotel.
Sra. F do jeito que gosta: aprontando, nua, no corredor do hotel. Uma boa examinada antes a procura de câmeras e voilá: click.

O lugar mais estratégico para se ficar é Moema, claro. Hotéis como o Mercure The Privilege ficam a minutos da maioria dos clubes. Além disso, tem um restaurante 24 horas com um minestrone que salva qualquer volta de balada.

Mas nosso pouso favorito é o Pullman Vila Olímpia. Por ser uma área de negócios, o preço no fim de semana é excelente, especialmente se você fizer parte do programa de “milhagem” da Accor. Custa o mesmo do Mercure e é muito melhor.

O Pullman tem a cama perfeita para mais de dois, quarto e banheiro impecáveis. O restaurante Hub Food Art & Lounge é maravilhoso. O bar é agradável e eles nunca nos perturbaram pelo contrabando de umas amigas elevador acima. Vale demais e fica a pouco mais de dez minutos de Uber dos clubes.

Infelizmente, não há um hotel liberal central em São Paulo, como há em Pipa e em Gouda. Quem se anima a montar um?

4 comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.